List

Conforme o tempo passa, documentos antes secretos são abertos ao público e nos permitem nos aproximar mais da realidade histórica tal como ela de fato aconteceu. Abaixo, traduzi um artigo lançado hoje pela NBC News onde contam fatos novos do fatídico dia que vieram a tona com novos documentos que foram abertos ao público. Acredito que seja um relato muito interessante (embora um pouco assustador) de como diversas camadas de medidas de segurança podem falhar em uma situação de extrema emergência.


Quando o chefe de gabinete, Andrew Card, ajoelhou-se e disse a George Bush “A América está sob ataque” 15 anos atrás, as palavras que ele sussurrou no ouvido do presidente em uma sala de aula da Flórida lançou o que supostamente era para ser uma resposta ordenada e planificada para uma emergência nacional.

caos-seguranca-protocolo-11-setembro-2001-novos-documentos-nbc-blog-thomas-victor-conti

Mas ao invés disso o que se seguiu foi um caos, falhas de comunicação e protocolo, que arriscaram um conflito internacional e poderia ter feito o 11 de setembro de 2001 uma tragédia ainda maior. Havia armas nucleares ativas na pista em bases aéreas dos EUA, um sistema de comunicação falhou e um protocolo de segurança para o presidente e seus potenciais sucessores – o plano de “continuidade do governo” – que foi seguido por apenas um membro do alto escalão do governo.

Com base em uma revisão de documentos recentemente liberados, memórias e outras contas publicadas e entrevistas com funcionários dos EUA, a NBC News aprendeu que:

1. 36 armas nucleares ativas estavam a bordo bombardeiros da Força Aérea americana em três bases aéreas quando a Al Qaeda atingiu Nova York e Washington.

2. Por causa de equipamentos e procedimentos de comunicação inadequados, funcionários do alto escalão dos EUA não conseguiam falar uns com os outros ou com qualquer outra pessoa. O presidente russo, Vladimir Putin, queria falar com Bush para saber por que os EUA estava se preparando para ir para DEFCON 3 – mas a Casa Branca não conseguia estabelecer a conexão através de Air Force One. Não havia nenhuma maneira de Bush receber chamadas.

3. Depois que Bush deixou a Flórida, onde ele estava em uma escola lendo um livro para crianças, seu avião estava com pouco combustível e por horas não teve nenhum lugar para pousar.

4. A maioria das 10 primeiras pessoas na fila de sucessão presidencial, incluindo o vice-presidente Cheney e Donald Rumsfeld, ou se recusou a seguir o protocolo e ir para seus lugares seguros designados, ou foram para fora do país, ou nunca foram contactados.

5. Hoje caído em desgraça, o presidente da Câmara Denny Hastert, terceiro na linha, foi o único a obedecer o protocolo e foi levado para um bunker subterrâneo nas montanhas Blue Ridge. Mas isso o deixou fora de contato com todos os outros líderes superiores do governo.

6. O Procurador Geral John Ashcroft estava em um avião do governo e tentou voltar para Washington, mas foi rejeitado pelas Forças Aéreas Americanas.

7. A Secretária de Educação Rod Paige, 16ª na linha para a Casa Branca, foi deixada na pista em Sarasota, Florida. Ela alugou um carro e dirigiu de volta para Washington.

8. Por causa da resposta confusa em 11/9, os EUA fizeram várias alterações à continuidade do protocolo de governo e os seus preparativos de segurança em caso de outro ataque na capital.

Há um novo bunker para o alto escalão da Casa Branca nos subúrbios de Washington, DC.
Uma série de baterias de mísseis móveis foram implantados em torno da área de Washington. Suas localizações não são divulgados e são movidos regularmente.
Um novo sistema de comunicações seguras foi construído em Wyoming que pode manter altos funcionários ligados 24/7 deve surgir uma emergência.

Mas a experiência passada sugere que o protocolo de “continuidade do governo” ainda seria difícil de executar no caso de uma nova crise. Afinal de contas, o plano teve de ser revisto após falhas na resposta à tentativa de assassinato de Ronald Reagan em 1981 e novamente depois de um jogo de guerra em 1983 onde os russos confundiram com uma situação real. Diante da confusão de 11 de setembro, o procolo atolou do mesmo jeito.

Jogos de Guerra vão para o Mundo Real

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Talvez o maior segredo recém-descoberto é que na manhã do dia 11/09, quando Al Qaeda atingiu Nova York e Washington, o jogo de guerra anual “Global Guardian” do Pentágono estava em pleno andamento. 36 armas nucleares reais tinham sido colocadas a bordo de bombardeiros intercontinentais em Dakota do Norte, Missouri e Louisiana.

Quando Bush deixou a Flórida no Air Force One em meio a temores de que terroristas tentariam derrubar o avião presidencial, ele voou direto para o meio do jogo de guerra.

O Air Force One tinha decolado fora do aeroporto de Sarasota 51 minutos após o Voo 11 da American Airlines ter se chocado contra a torre norte do World Trade Center e 12 minutos após o Pentágono ter sido atingido. O quarto e último avião de passageiros sequestrado, United Vôo 93, ainda estava no alto sobre Pennsylvania.

De acordo com uma nova história do Pentágono sobre o 11/9, o piloto do Air Force One “voou o avião o mais alto e mais rápido possível para maior segurança.” A aeronave do presidente pode voar – e de fato o fez – tão alto quanto 15km naquele dia.

Por causa da informação de que havia ameaça terrorista específica para “Angel” (o codinome para o avião do presidente Bush), o avião foi enviado essencialmente em órbita. Seu avião tinha pouco combustível e não tinha destino firme. A equipe de segurança nacional de Bush finalmente selecionou Barksdale Air Force Base perto de Bossier City, Louisiana, como um lugar para colocar para pousá-lo temporariamente porque tinha uma área segura para reabastecimento.

O Almirante Richard Mies, comandante do US Strategic Command (STRATCOM), que estava supervisionando o jogo da guerra, determinou o fim do exercício logo que ouviu a notícia dos ataques em Washington e Nova York, de acordo com uma entrevista publicada esta semana no Omaha World-Herald.

O jogo tinha virado “mundo real”, como os militares gostam de dizer, com os planejadores de guerra considerando os vários cenários – o mais assustador dos quais era um avião terrorista atacando uma das bases aéreas que guardavam ogivas nucleares. Barksdale, onde Bush estava indo, era uma das principais bases de bombardeiros B-52 do mundo.

“Você iria destruir metade da Bossier City com as explosões,” Al Buckles, oficial do Comando Estratégico em vigia naquele dia, revelou ao Omaha World Herald na semana passada. “As armas nucleares estavam expostas [à ataques].”

Quando STRATCOM recebeu a notícia de que o presidente Bush queria pousar em Barksdale, especialistas em munições foram mobilizados para terminar a descarga dos bombardeiros.

Enquanto isso, os russos estavam chamando. Eles haviam detectado os preparativos para um aumento da prontidão das forças militares norte-americanas – DEFCON 3 – programados para execução às 10:53.

O general Ralph “Ed” Eberhart, comandante da North American Comando de Defesa Aeroespacial em Colorado Springs naquele dia, disse à Comissão 11/9 no agora revelado testemunho secreto que a mudança para DEFCON 3 foi muito debatida. Não foi destinado para cenários como o do 11 de setembro, mas sim para a guerra nuclear. O DEFCON 3 “poderia ter complicado a resposta aos ataques”, Eberhart observou.

“Tínhamos um presidente que não quis seguir os nossos planos para um ataque nuclear.”

Ao invés de forças nucleares permanecerem inativas, como o STRATCOM estava fazendo em Barksdale, as regras de resposta DEFCON orientavam maior prontidão. E se o nível de alerta mudasse para DEFCON 2, o próximo nível mais alto, as armas nucleares novamente teriam que ser recarregadas nos B-52.

Com as forças norte-americanas em todo o mundo em alerta, o embaixador dos EUA em Moscou, Alexander Vershbow, chamava a Sala de Situação da Casa Branca: O presidente russo, Vladimir Putin, “queria falar com Bush.”

Coincidentemente, os russos estavam no meio do seu próprio exercício de guerra nuclear e sua inteligência agora havia detectado indícios de reforço da postura de força americana.

Por 30 minutos, na Casa Branca comunicadores tentaram estabelecer uma linha segura entre o Air Force One e o Kremlin, até finalmente desistirem. A Conselheira de Segurança Nacional, Condoleezza Rice, que falava russo, em seguida pegou o telefone com o presidente chegando a um acordo cooperativo para desmobilização.

Rice foi ao bunker subterrâneo sob a Ala Leste da Casa Branca com o vice-presidente Cheney e o secretário de Transportes Norman Mineta, que estava dirigindo a decisão da FAA para retirar do ar dos EUA todas as aeronaves.

Ainda no limbo, o Air Force One estava circulando ao longo do Norte da Flórida.

Dentro do avião, Bush estava furioso, praticamente incapaz de se comunicar com o mundo exterior em um momento de crise.

Pessoas a bordo foram orientados a mudar seus telefones celulares para que o avião não pudesse ser rastreado. Bush conseguiu falar com Dick Cheney, mas os comunicadores oficiais não conseguiram colocar uma chamada que o colocasse em contato com sua esposa Laura por mais de três horas. “Eu não podia acreditar que o presidente dos Estados Unidos não conseguia alcançar sua esposa que estava no edifício do Capitólio,” Bush escreveu mais tarde.

Para adicionar combustível à raiva de Bush, o Serviço Secreto e sua equipe de segurança nacional também desencorajaram sua volta para Washington, preocupados com o fato de que a capital ainda era um alvo.

“Tivemos um presidente que não queria seguir os nossos planos para um ataque nuclear, que é escondê-lo, mantê-lo seguro e permitir a continuidade do governo”, diz o piloto do Força Aérea Um, Mark Tillman, coronel aposentado da força aérea que escreveu seu próprio livro sobre aquele dia.

Após 40 minutos circulando sobre a Florida, a decisão foi finalmente pousar em Barksdale, onde o avião poderia reabastecer e o presidente poderia gravar uma breve declaração de Comandante-em-Chefe.

O Air Force One pousou às 11:40 AM, enquanto as armas nucleares ainda estavam sendo descarregadas há alguns metros de distância, de acordo com um vice-STRATCOM que falou à NBC News depois de Mies revelar sobre as armas nucleares ainda secretas ao Omaha World-Herald.

Deixado para trás em Sarasota, porém, foi o secretário de Educação Rod Paige. Ele tinha ido para a Emma Booker Elementary School com o Presidente naquela manhã, mas foi deixado na escola quando o Air Force One decolou. Paige, 16º na linha para suceder o presidente, fez seu próprio caminho de volta para Washington em um carro alugado.

Cheney e Rumsfeld Dizem “Não”

Bush finalmente voou de volta para Washington depois de parar na sede da NORAD na Offutt Air Force Base em Nebraska. Ali ficou claro que ele não era o único membro da linha de sucessão que não estava seguindo o plano emergencial de governo.

Se o Air Force One tivesse sido atacado, e tivesse a Casa Branca sido atingida pelo United Airlines Flight 93 como os terroristas queriam, a lista de quem seria responsável pelo país viraria um caos.

O primeiro na linha de sucessão, Cheney, ficou na Casa Branca. Cheney escreveu em sua autobiografia, “In My Time: A Personal and Political Memoir”, que, quando seu assessor lhe disse que ele tinha que evacuar o prédio e dirigir-se para o bunker designado nos arredores de Washington, ele olhou para ele como se ele fosse louco e disse que não iria a lugar nenhum.

Se Cheney tivesse sido morto, a sucessão presidencial teria passado para presidente da Câmara Dennis Hastert, que era o terceiro na linha. Ao contrário de outros funcionários do alto escalão, ele seguiu o protocolo em 11/9. Ele foi levado para o Monte Weather, um bunker subterrâneo nas montanhas Blue Ridge da Virgínia Ocidental. Lá, ele passou o dia fora de contato com a liderança nacional.

O quarto na linha, de 83 anos de idade Senador Robert Byrd, da Virgínia Ocidental, também se recusou a ir a qualquer lugar e foi levado para sua casa Capitol Hill.

O quinto na fila para ser presidente, o secretário de Estado Colin Powell, estava no Peru.

O sexto, o secretário do Tesouro Paul O’Neill, estava no Japão.

O sétimo, o secretário de Defesa Donald Rumsfeld, estava em um Pentágono em chamas, e também se recusou a evacuar. Ao invés disso, enviou seu vice Paul Wolfowitz para o “Site R”, o bunker subterrâneo de Raven Rock na fronteira Maryland-Pennsylvania.

Oitavo na linha, o procurador-geral John Ashcroft, estava em um avião do governo. Quando ele ordenou que voltasse para a capital, a FAA não o deixou entrar no espaço aéreo de Washington.

A nona na linha de sucessão, a secretária de Agricultura, Ann M. Veneman, nunca foi contactada de acordo com registros da Casa Branca.

O Secretário de Comércio, Don Evans, 10º na linha, esperou em seu escritório no centro para alguém entrar em contato com ele para lhe dizer o que fazer; e quando ninguém o fez, um assessor levou-o para sua casa em McLean, onde se sentou e assistiu televisão.

Camada sobre camada de sistemas e planos de contingência, alguns com cerca de 50 anos de idade, tinham sido criados e ajustados mais de uma vez. Mas naquele dia, nenhum dos principais conhecia os planos em qualquer detalhe e quatro dos cinco sucessores superiores à presidência se recusaram a seguir e dar continuidade aos protocolos governamentais.

O sistema que foi criado é tão secreto que mesmo a Comissão do 11/9 foi incapaz de acessar o que realmente aconteceu naquele dia. Foi bloqueada por guardiões do “programa especial” e frustrada por uma Casa Branca nervosa que era a única a par de tudo o que deu errado: as comunicações que falharam, os sucessores que estavam perdidos, as regras que foram ignoradas ou mal executadas, o pequeno problema das armas nucleares… e Putin.

Além dos problemas com a sucessão, os eventos de 11/9 também expuseram outra fraqueza no sistema. Um alto funcionário que havia sido gerente de continuidade do Pentágono observou que, se um dos aviões sequestrados tivesse voado para o edifício do Capitólio, onde o Congresso estava em sessão, ele poderia ter levado a uma crise constitucional.

Sob a lei, se a maioria dos congressistas fossem mortos, a Câmara dos Deputados não seria capaz de deliberar porque teria falta de quorum. E, ao contrário do Senado, os membros da Câmara só podem ser liberados através de uma eleição especial. A Câmara, por outro lado, é forçada a selecionar um presidente se não houver sucessor constitucional disponível.

Quem teria sido o responsável e o que teria acontecido continua a ser um pesadelo que ainda dirige perto de um bilhão de dólares por ano, em preparação apenas para o caso de um dia ser necessário.

Nesse caos, o único homem que seguiu o protocolo e poderia ter ficado responsável pelo país (Hastert), foi preso na Federal Medical Center, em Rochester, Minnesota, em Junho de 2016, acusado de abuso sexual e fraudes financeiras para ocultar os casos.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Tenho 27 anos, possuo Mestrado e Graduação em Economia e sou doutorando em Economia pela Unicamp. Sou professor na Especialização em Direito e Economia (Law & Economics), também na Unicamp. Meu principal objeto de pesquisa é a relação entre Economia e Violência, o qual analiso sob diferentes abordagens. Adicione-me no Academia.Edu e no Researchgate para acompanhar meus trabalhos acadêmicos. Na página Publicações aqui do site estão listados meus trabalhos conclusos e em andamento.

  Posts

1 2 3 6
outubro 5th, 2017

Dossiê Armas, Crimes e Violência: o que nos dizem 61 pesquisas recentes

julho 19th, 2017

Renda e Miséria – 30 anos que mudaram o Mundo, em 10 gráficos

junho 27th, 2017

Seminário Online “Conti, Thomas V. (2017). Mercantilism: a materialist approach” (INET YSI)

maio 29th, 2017

A Estrutura de um Artigo Excelente

abril 24th, 2017

Uma Abordagem Econômica para Aliviar a Crise de Confiança na Ciência

abril 22nd, 2017

As Virtudes e os Critérios Intelectuais Universais

abril 18th, 2017

Boas fontes para dados e gráficos atualizados do mundo

abril 15th, 2017

[Review] Utilitarismo e a Ética da Guerra (Shaw, 2014)

março 15th, 2017

Ideias Econômicas que Você Deveria Esquecer: Capitalismo [tradução]

fevereiro 17th, 2017

Apropriação Cultural: uma história bibliográfica