List

Semana passada foi publicado o resultado do estudo da OCDE sobre qualidade do ensino em 64 países, onde o Brasil ficou em penúltimo em número absoluto de alunos com baixo desempenho e entre os 5 piores em percentual de alunos de baixo desempenho. Percorri todos os resultados das mais de 200 páginas do estudo da OCDE e selecionei 10 estatísticas que resumem um pouco quão sofrível é o quadro da educação do país.

Enquanto você prepara o seu coração para os fatos que estão por vir, a tabela abaixo mostra como o estudo da OCDE usou os dados do exame PISA (2012) para separar os estudantes de baixo desempenho daqueles de desempenho satisfatório. Sempre que eu mencionar “baixo nível de proficiência” estarei me referindo àqueles com nota na área vermelha da tabela abaixo:

desempenho estudantes qualidade ensino brasil ocde 2016 pisa 2012 blog thomas conti

Respirou fundo? Vamos lá.


Fato 1:

7 de cada 10 estudantes brasileiros não atinge o nível mínimo satisfatório de proficiência em pelo menos uma das áreas entre matemática, interpretação de texto e ciências.

Fonte: OCDE (2016) – página 50.

Este é o número que nos faz ficar em 59º entre os 64 países do estudo, “ganhando” apenas do Qatar, Tunísia, Colômbia e Indonésia, perdendo para países como EUA (29º), Rússia (37º), Turquia (43º), Chile (49º) e México (51º). Em média entre os 64 países do estudo, 28% dos alunos ficam abaixo da linha base de proficiência em pelo menos uma das três habilidades do estudo. No Brasil, são assustadores 68% dos alunos.


Fato 2:

4 de cada 10 estudantes brasileiros não atinge o nível mínimo satisfatório de competência em nenhuma das áreas do relatório da OCDE (matemática, interpretação de texto e ciências)

Fonte: OCDE (2016) – página 48.

Neste dado nossa posição é ainda pior. Apenas três países do estudo têm um percentual maior de estudantes de baixo desempenho nas três áreas ao mesmo tempo, colocando-nos na 61ª posição nesse quesito.

De notícia positiva, o Brasil foi um dos 9 países que conseguiu reduzir esse percentual entre 2003 e 2012. Mas apenas parcialmente. O percentual foi reduzido apenas na habilidade de matemática e apenas entre os alunos que estavam abaixo do Nível 1 nessa disciplina. Outros países, como Alemanha e Rússia, conseguiram reduzir o percentual também para alunos que estão entre o Nível 1 e o 2 e alunos abaixo do Nível 1. Conforme aponta o relatório na página 54, a queda em países como a Turquia e o Brasil se explica antes pelo elevadíssimo percentual de desempenhos péssimos na avaliação de 2003 do que por alguma mudança estrutural na educação destes países. Isto é, já estivemos pior, mas continuamos muito muito mal.


Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.


Fato 3:

A qualidade do ensino varia brutalmente entre ricos e pobres, mas o ensino é muito ruim mesmo para quem tem dinheiro.

Fonte: OCDE (2016) – página 64.

Como era de se esperar, a renda da família tem um impacto decisivo sobre o potencial futuro da educação dos jovens. De acordo com a OCDE, a renda é o fator isolado que mais explica as diferenças no desempenho educacional: ela explica 15% da variação de desempenho entre os estudantes. Depois do status socioeconômico, o fator mais explicativo seria ter repetido um ano de estudo.

educacao brasil blog thomas conti qualidade ensino colegio bandeirantes escola waldemar barroso

No entanto, isso é apenas uma média entre os 64 países estudados. A desigualdade de renda explica muito, mas não tudo, e seu poder explicativo varia conforme o país estudado. No caso do Brasil por exemplo, nascer entre os 25% mais pobres significa uma chance de 85% de ter desempenho abaixo das habilidades mínimas. Nascer entre os 25% mais ricos reduz muito essa chance no Brasil: ela cai para 44,9%.

Porém, isso não quer dizer que quem está entre os 25% mais ricos tem muitas chances de ter bom desempenho – longe disso! Se compararmos nosso país com, por exemplo, o Vietnã, vemos que na verdade estar entre os 25% mais ricos no Brasil não lhe garante um ensino de matemática tão bom quanto estar entre os 25% mais pobres no Vietnã. No Vietnã, estar entre os 25% mais pobres significa uma chance de 24,8% de ter desempenho muito baixo em matemática, enquanto estar entre os 25% mais ricos significa uma chance de apenas 5,6%.

Computando as outras habilidades e isolando o impacto de outras variáveis, o Brasil está entre os 10 países com maior desigualdade de nível educacional entre ricos e pobres, junto com países como Chile, Uruguai, Peru e Israel. A imagem abaixo mostra o desempenho de cada quartil de renda em cada país (Brasil, Vietnã e a Média entre os países estão em destaque. Clique na imagem para vê-la em tamanho maior.):

desigualdade educacao no brasil ocde pisa 2016 blog thomas conti


Fato 4:

No Brasil, as mulheres são menos incentivadas a estudar matemática: elas têm 86% a mais de chance de ter desempenho abaixo da base mínima nessa disciplina. Estamos entre os 8 países com maior desigualdade de gênero no ensino entre os 64 países analisados.

Fonte: OCDE (2016) – página 70.

Outro dado alarmante é a desigualdade entre gêneros e o desempenho educacional, algo que não tem nada de biológico nem natural. No Brasil, ser mulher aumenta em quase 86% a chance de ter baixo desempenho em matemática, devido a diversos fatores como menor incentivo para as mulheres estudarem essa disciplina, menor expectativa de pais e professores quanto à possibilidade de dominarem a matéria, dentre outros. Segundo o estudo da OCDE, em países com educação excelente como Singapura, são os homens quem têm desempenho inferior ao das mulheres em matemática, e em países como Noruega ou até o Cazaquistão não há diferença de desempenho entre os gêneros. Ou seja, não teria nenhum motivo para as mulheres irem pior que os homens nessa matéria se nosso sistema educacional funcionasse adequadamente. Vale dizer que nas habilidades de interpretação de texto e ciências as mulheres têm um desempenho médio superior ao dos homens, principalmente em leitura, onde vão melhor que os homens em todos os 64 países do estudo.

Por exemplo, o Brasil está entre os 21 piores países em desigualdade de gênero na habilidade de leitura. Os homens no Brasil tem 35% a mais de chance de terem performance abaixo do mínimo nesse quesito em nosso país. No Reino Unido essa diferença não chega a 8%. O estudo da OCDE é explícito: há uma relação direta entre má qualidade da estrutura educacional e maior desigualdade de gênero no desempenho dos alunos.


Fato 5:

No Brasil, estudantes que não fizeram educação infantil têm duas vezes mais chances de ter desempenho insatisfatório em matemática do que aqueles que tiveram mais de 1 ano de educação infantil.

Fonte: OCDE (2016) – página 82.

Universalizar a educação infantil é um passo determinante para a melhora da qualidade de ensino não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Por aqui essa é uma batalha dura e muito antiga, que só viu alguma melhora nos últimos 25 ou 30 anos. Atualmente não estamos tão longe: de acordo com a PNAD(2012), 82% das crianças brasileiras entre 4 e 5 anos já conseguem ter acesso a educação infantil. Porém, cobrir esses 18% que faltam significa aumentar 1 milhão de vagas na oferta desse ensino. Outros países, mesmo desenvolvidos, do estudo da OCDE apresentam uma diferença ainda maior entre o futuro de quem faz e de quem não faz educação infantil, mas isso principalmente porque praticamente 100% das crianças tem acesso ao ensino, logo os poucos que ficam de fora provavelmente têm uma série de outros problemas os acompanhando para ter carecido desse ensino (família desestruturada, baixo nível de renda, moram em áreas rurais de difícil acesso, etc).

educacao infantil importancia ocde pisa 2016 2012 desigualdade blog thomas conti
A lição desse dado é: faça o possível para colocar seu filho no ensino infantil, e cobre deputados e governantes para que façam algo pela universalização do ensino. É um passo determinante para a melhora da educação no país.

[shareaholic app=”share_buttons” id=”23778358″]


Fato 6:

Os alunos brasileiros de pior rendimento em matemática estudam em média apenas 3 horas por semana.

Fonte: OCDE (2016) – página 107.

Em média entre os países da OCDE, uma dedicação de apenas 6 horas por semana já seria suficiente para reduzir em 70% a chance de ser um aluno de desempenho abaixo do mínimo satisfatório. Porém, países em que o ensino é ruim como no Brasil traduzem essa má qualidade do ensino em mal aproveitamento do tempo de estudo dos alunos. Isso pode acontecer por vários fatores: alunos desinteressados no ensino, falta de exigência da escola, baixa expectativa da família em relação ao potencial intelectual do aluno, falta de capacidade de concentração ou paciência de estudo, dentre outros.

dedicacao estudo concentracao desigualdade qualidade ensino OCDE PISA 2012 2016 blog thomas conti
Para se ter uma ideia, de acordo com o relatório da OCDE, com a mesma média de 3 horas por semana de estudo um aluno na Coreia consegue obter um rendimento de 25% a 40% superior ao de um estudante brasileiro. Isto significaria sair do nível de “abaixo do desempenho mínimo” para Nível 2 ou 3, que já são considerados níveis de satisfatórios a bons de ensino.


Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.


Fato 7:

Em quase metade das escolas do Brasil, 8 em cada 10 alunos têm desempenho abaixo do mínimo satisfatório em matemática.

Fonte: OCDE (2016) – página 140.

Em 40% das escolas brasileiras a vasta maioria dos alunos não consegue atingir a proficiência mínima em matemática. Esse número é preocupante pois, ainda de acordo com a OCDE, o ambiente de estudo afeta muito a qualidade do ensino. Escolas onde há uma percepção geral de que ter baixo desempenho é o resultado normal e esperado do ensino, professores e alunos ficam desestimulados e essa falta de estímulo ajuda a reforçar ainda mais o quadro de baixo desempenho.


Fato 8:

Estar entre os 25% com perfil demográfico e educacional menos privilegiado do país aumenta em 5 vezes a chance de ter desempenho péssimo em matemática, comparado com estar entre os 25% com perfil mais privilegiado.

Fonte: OCDE (2016) – página 66.

No quesito impacto da desigualdade sobre o desempenho educacional, o Brasil fica em 46º entre os 64 países analisados. A posição parece quase boa comparada com a posição entre os 5 últimos que ficamos em diversos dos outros itens. Conteúdo, esse problema da desigualdade se expressa de forma diferente entre os países. Por exemplo, a Irlanda aparece como o país com maior desigualdade nesse quesito e é um dos países com melhor nível educacional do mundo. O que ocorre é que como os estudantes em geral da Irlanda têm um desempenho excelente, a minúscula parcela de estudantes que estão, por exemplo, em alguma área montanhosa de difícil acesso ou por outros motivos não conseguem acessar o ensino público, acabam ficando com rendimento bem abaixo dos demais do país, que tem uma média alta em nível mundial.

No caso do Brasil, há centenas de milhares de alunos dentro desse perfil de risco elevado, logo o indicador de desigualdade é bem mais preocupante aqui do que lá. Já na Noruega (1º) nascer entre os mais desfavorecidos não chega a aumentar nem em 50% a chance de ter desempenho ruim em matemática, contra os 400% a mais de chance no caso brasileiro.


Fato 9:

A qualidade do ensino no Brasil é pior do que a média esperada para o atual nível de desigualdade e inclusão social do país.

Fonte: OCDE (2016) – página 172.

O relatório da OCDE constatou que há uma relação direta entre inclusão social e o percentual de alunos que conseguem atingir as notas mais altas nos testes de desempenho. Quanto menos desigual é um país, mesmo se ele não for rico, o número de performances excelentes aumentam. Contudo, este não é o caso do Brasil. Para o nosso nível de desigualdade socioeconômica, temos 55% mais alunos com desempenho péssimo em matemática do que a média esperada.


Fato 10:

Apenas 1 em cada 100 estudantes brasileiros atinge o nível de maior desempenho em matemática.

Fonte: OCDE (2016) – página 173.

Até agora falamos apenas dos alunos com desempenho abaixo do mínimo. Mas e os alunos com altíssimo desempenho? Quantos são em nosso país? Pois é meus caros, eles representam apenas 1% de todos os estudantes brasileiros. E isso não é reflexo de nada “natural”, não é preciso ser um gênio para atingir esses resultados. O problema é o nosso sistema educacional mesmo. Quer comparar? Em Singapura, o 1º do mundo em número de alunos com altíssimo desempenho, 40 de cada 100 estudantes atingem o maior nível da escala (!). Já pensou se conseguíssemos fazer isso por aqui?

\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\

Estes foram os ’10 fatos assustadores’ que selecionei sobre a realidade do ensino no Brasil. Na semana que vem quero fazer um texto sobre quais as políticas de sucesso que esse estudo da OCDE recomenda para os países melhorarem a qualidade do seu ensino, com base no que os melhores no ranking fazem para obterem seus resultados. Quer ficar sabendo assim que essa matéria for escrita? Fique a vontade para seguir minhas publicações no Facebook, Twitter, ou se inscrever no meu blog! Vamos repassar este texto para as autoridades responsáveis do país e fazê-los tomar atitudes a respeito.

Mas não esqueça! Gerenciar as escolas é competência das autoridades municipais e estaduais, enquanto as diretrizes educacionais do país são organizadas pelo governo federal. Ou seja, todo o governo tem deveres a cumprir na questão educacional brasileira. Reformas nesse setor levam muito tempo para surtir efeito e é o futuro das nossas crianças em jogo, cada ano conta e o relógio não para.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Thomas Victor Conti tem 27 anos, possui Mestrado e Graduação em Economia, é doutorando em Economia pela Unicamp. Trabalha como professor e assistente de coordenação na Especialização em Law & Economics da Unicamp. Meu objeto de pesquisa é a relação entre Economia e Violência, o qual analiso sob diferentes abordagens. Adicione-me no Academia.Edu e no Researchgate para acompanhar meus trabalhos acadêmicos. Na página Publicações aqui do site estão listados meus trabalhos conclusos e em andamento.

19 Responses to “10 Fatos Assustadores sobre Qualidade do Ensino no Brasil”

  1. André

    Texto excelente, parabéns pelo trabalho em estudar o relatório e produzir este material. Quanto ao nosso país, é triste ver a tragédia que somos e pior do que isso, não enxergar nenhuma luz no final do túnel.

    • Thomas Conti

      Olá André, obrigado pelo elogio. Realmente está difícil enxergar uma luz no fim do túnel, mas não é impossível. A ver quanto conseguimos aumentar a pressão sobre as autoridades. Abs!

  2. Rodrigo Faria Saint-Martin

    Parabéns, Thomas. Educação é uma responsabilidade de todos nós, profissionais educadores ou não. Administradores públicos ou não!

    Será divulgado. Grande abraço, sucesso.

    • Thomas Conti

      Olá Rodrigo, fico feliz que gostou do texto e agradeço seu apoio compartilhamos. Seguimos na luta pela melhora no ensino em nosso país. Abraços.

  3. Joanna

    Corrigindo o fato 3:
    Uruguay não está listado nos países onde foi feito o estudo e sim a Hungria (Hungary)

  4. plínio Cardoso

    Parabéns pela análise, vou procurar acompanhar seus escritos! Abraço.

  5. Sandra Santos Ribeiro

    Sou angustiada porque tenho acompanhado de perto a incompetência em todos os níveis de ensino e a grande desmotivação dos professores, alunos, diretores, enfim, de todos os agentes na área de educação.Quando acontece de haver reclamação por parte de pais, inclusive em relação a conteúdos, a resposta, mesmo nas escolas particulares é a seguinte: determinação do MEC, e tudo continua igualmente ruim.
    Exemplo prático: tenho uma neta de 11 anos que frequenta escola particular em São Paulo. Bastante inteligente e desmotivada. Semi-analfabeta na escrita. Fui fazer-lhe um ditado de texto agora nas durante as férias. Disse-me que nunca havia feito antes, o que foi confirmado pela mãe. Pode?????

  6. M

    Ensino básico: aplicado por prefeituras
    Ensino médio: aplicado pelos estados

    Agora façamos um estudo por numero absoluto de alunos por estado e por prefeitura.

  7. marcus

    O que esperar de um pais onde o presidente , 8 anos não passa de um apedeuta, criminoso, megalomaniaco, seguido de uma aloprada com graves problemas cognitivos onde a intenção é somente de permanecer no poder podendo enriquecer e corromper a sociedade.

  8. Carlos André

    Pessoas que estudam na federal discriminam quem estuda em universidade privada, mas passaram a vida toda estudando em colégio particular. Irônico. Brasil é uma merda mesmo.

  9. Ronaldo José

    Não adianta falar Enquanto a educação deste país for um produto de mercado para os mais pobres e as faculdades apanas para os filhos das elites, sem nenhum mérito a não ser a classe social e econômica vamos continuar neste mundinho caótico em que vivemos. Hoje o ensino à distância coloca um diploma na mão da pessoa e o conhecimento bem distante de seus cérebros. É um sistema falido, onda ninguém aprende mas cresce o número de diplomados, doutores e mestres que nada sabem, e ainda tem a soberba da arrogância de dizerem que são conhecedores do saber. Mal sabem que todo seu conhecimento pode ser desbancado por um secundarista da Coreia do Sul, por exemplo. Por isso abri mão de fazer faculdade, porque o que eu quero e conhecimento e não diploma, apesar de saber que a sociedade mesquinhamente da mais valor ao diploma que o conhecimento em si mesmo. Em palavras bem populares meu amigo: Estamos fodidos…

  10. Daniel

    Muito elucidativo o texto, traz um raio-x sobre o quanto estamos errados em nossa política educacional, e poderia ser um checklist para a balizar muitas políticas educacionais de municípios e estados.Parabéns.Compartilhado.

    • Diego Silva Lemelle

      Agencias internacionais são medidas por quem? Qual o direito que elas tem de influenciar nossa educação

      • Thomas Conti

        Nossa educação parece boa para você sob qualquer critério? 68% das pessoas de 15 anos são analfabetos funcionais em matemática e leitura, acho que não é necessário agência internacional para concluir que isso é péssimo.

  11. Antonio Mariano Peixoto

    Muito instrutivo. Quero participar, pois projeto inteligente é importante para podermos fazer parte de uma elite pensante. Parabéns.

  12. Willian Martins

    No caso 8, na quarta linha do primeiro parágrafo está escrito “conteúdo”, mas acredito que deveria ser “contudo” (de conclusão).

  13. Ronaldo Schubert Souto

    Olá professor Thomas vejo que o senhor conhece porque reconhece na educação brasileira os problemas. O investimento em educação no Brasil, como é sabido, ainda é baixo mas, além disso,há uma perda e/ou desvios de verbas da educação em diversos “ralos”. No Estado de São Paulo na Educação Básica Pública existem Diretoria Regionais de Ensino (DREs) cuja a atuação é de controlar, controlar e controlar e efetivamente ajudar os professores nas escolas quase não ocorre. Nas décadas de 80 e 90 o prof Demerval Saviani em um de seus livros ‘Educação Brasileira: estrutura e sistema’ mostra como é o “não sistema brasileiro de educação”. Parabéns e continue contribuindo para a educação.

  14. Matheus

    O pior é quando esses estudantes chegam ao ensino superior. Embora ainda seja uma parcela relativamente pequena da população, as estaduais paulistas ficam com o filé mignon dos egressos do ensino médio, muitos deles após 2 anos de preparação em cursinho pré-vestibular, enquanto as instituições privadas de ensino têm de se virar com o que sobra. Aí se vêm obrigadas a diminuir o nível de exigência do curso de graduação, incluir disciplinas de nivelamento como produção textual e pré-cálculo para revisar os conceitos matemáticos de nível médio.
    E se engana quem pensa que estou falando apenas das faculdades que surgiram dos grandes conglomerados educacionais, alimentados pelas política creditícia do governo na última década. Muitas universidades privadas de renome têm sofrido com as deficiências de seus ingressos.

  Posts

1 2 3 6
maio 29th, 2017

A Estrutura de um Artigo Excelente

abril 24th, 2017

Uma Abordagem Econômica para Aliviar a Crise de Confiança na Ciência

abril 22nd, 2017

As Virtudes e os Critérios Intelectuais Universais

abril 18th, 2017

Boas fontes para dados e gráficos atualizados do mundo

abril 15th, 2017

[Review] Utilitarismo e a Ética da Guerra (Shaw, 2014)

março 15th, 2017

Ideias Econômicas que Você Deveria Esquecer: Capitalismo [tradução]

fevereiro 17th, 2017

Apropriação Cultural: uma história bibliográfica

fevereiro 14th, 2017

Filosofia da História 1: a História e sua Representação [tradução]

janeiro 20th, 2017

O caráter intelectual dos teóricos da conspiração

janeiro 3rd, 2017

Caos diplomático ontem e hoje: Donald Trump e o Imperador Wilhelm II