Pesquisa

“…repensar a violência como um problema a ser resolvido, ao invés de uma disputa a ser vencida.” —Pinker, S. (2011)

Poder e Abundância, Power and Plenty. Estes eram os objetivos das reflexões econômicas que surgiam na Europa do século XVII. Simples e diretos, foram passados para gerações futuras de pensadores. Hoje, um novo contexto histórico pressiona por mudanças.

O objetivo do poder dá lugar ao problema de como equacionar da segurança, liberdade e paz. Nesse campo, a violência está no centro da distinção entre poder e segurança, entre a coerção e a liberdade, entre a guerra e a paz. Se hoje a violência é vista como um problema a ser resolvido, o primeiro passo é entendê-lo. Este é o objetivo do meu programa de pesquisa, tendo como referência e recorte principais os economistas e a economia.

Em minhas pesquisas em andamento, busco fornecer uma análise positiva adequada aos fenômenos sob observação. Isto é, busco entender como as coisas são. Acredito que só terei base suficiente para fazer uma análise normativa (argumentar algo sobre como elas deveriam ser) adequada aos fenômenos que estudo dentro de 10 ou 15 anos. Quando estiver nesse nível, pretendo publicar nas áreas da filosofia política e filosofia moral, ao invés de desvalorizar minhas análises em história econômica ou história do pensamento econômico com valorações políticas pessoais sobre estes objetos.

Assinar blog por e-mail

Digite seu endereço de e-mail para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por e-mail.

Interesses

  • Economia, Violência e Segurança
  • História Econômica Geral: violência, armas, questões militares
  • Direito e Economia: economia do crime e desenvolvimento
  • História do Pensamento Econômico: violência e instituições
  • Metodologia em Economia

Projetos de Pesquisa

  • História econômica do setor militar dos Estados Unidos da América (1855-1968)

    Projeto de Doutorado em andamento

    A temática deste projeto de pesquisa consiste nos efeitos econômicos e sociais causados pela incorporação do setor produtor de armamentos à organização industrial da sociedade, inaugurando um período histórico caracterizado pela produção industrial dos meios de violência. O objetivo geral do estudo é compreender a extensão e profundidade com que a simbiose entre a indústria e os meios de violência alteraram a economia política dos Estados Unidos. Partimos da discussão de uma hipótese: a história econômica americana no século XX foi moldada pelas mudanças que ocorriam na interação central e mútua entre três de suas estruturas básicas: as corporações, na organização da esfera econômica; o setor militar burocrático e influente do exército, marinha e aeronáutica; e as universidades de ponta, na sistematização da pesquisa e desenvolvimento científicos. Essa aproximação engendrou transformações tecnológicas e organizacionais radicais que possibilitaram a emergência de uma nova dinâmica da guerra, caracterizada pela estrutura de uma corrida armamentista industrial.

  • Análise Econômica do Direito e o problema da violência

    Estudos em Economia do Crime e Desenvolvimento

    A área do Direito e Economia (Law & Economics) oferece uma promissora capacidade de estudar o impacto de mudanças nas leis e instituições de uma sociedade. Meus estudos nessa linha têm o objetivo de testar empiricamente ideias e possibilidades encontradas nas análises históricas, ou ainda fazer estudos empíricos sobre problemas mais contemporâneos na relação entre economia e violência (estatal ou privada).

  • História econômica do Império Britânico e sua hegemonia (1698-1914)

    Dissertação de Mestrado Concluída (Bolsista Capes); Produção de artigos em andamento

    O objetivo deste projeto de pesquisa é reconsiderar o papel do sistema mercantil como uma causa determinante da ascensão do Império Britânico à posição de hegemonia mundial. O sistema mercantil é caracterizado pela interação próxima entre as capacidades sociotécnicas do setor de transporte naval com o de armamentos. O século XIX é dividido em três períodos, cada um caracterizado por uma interação específica entre as formas de produção, formas de distribuição e formas de violência.

    No primeiro período, a aposta britânica na disputa hegemônica foi baseada nas suas capacidades de organizar e assegurar um sistema internacional de comércio em grande escala. Este sistema mercantil associou o desenvolvimento industrial britânico aos interesses dos setores de serviços e militar, como as finanças e os transportes.

    No segundo período, a construção ferroviária responde aos interesses britânicos industriais e de serviços. Entretanto, sua difusão também foi o ponto de partida para países como os Estados Unidos e a Alemanha organizarem economias nacionais em escalas maiores do que seria possível em um mundo onde o transporte marítimo era a única tecnologia para a distribuição em grande escala com eficiência de custo.

    No terceiro período, essas novas escalas organizacionais juntam-se às inovações militares do período 1861-1871, que explicam também a expansão do imperialismo no último quartil do século. Embora o moderno sistema mercantil britânico nunca perdeu seu status hegemônico nos mares, houve uma mudança na natureza dos espaços onde se dava a concorrência econômica e a rivalidade política internacional.

    Nessa linha de interpretação, o declínio relativo da Hegemonia Britânica ocorreu conforme as economias de grande escala transitaram dos mares para a terra, e não como consequência do declínio relativo da primazia industrial.

  • Mercantilismo na história do pensamento econômico (Séc. XVII ao XIX)

    Consequências da pesquisa sobre o Império Britânico para a HPE

    Nos anos recentes, historiadores mostraram renovado interesse no mercantilismo. Desse interesse emergiu um debate sobre a incoerência do mercantilismo  visto como uma doutrina de pensamento econômico. Meu objetivo com esta pesquisa é fornecer uma explicação materialista para os graus variados de crença em pressupostos mercantilistas compartilhados. Minha hipótese é que o mercantilismo pode ser entendido como um conjunto de regras compartilhadas de comportamento e pensamento voltadas para prover soluções pragmáticas para quando e onde fatores econômicos e de segurança estiverem materialmente unidos. Meu programa de pesquisa analisa esta hipótese explorando como a credibilidade do mercantilismo no espaço e no tempo se relaciona com mudanças nas condições econômicas e de segurança do século XVI ao fim do século XIX.

  • Crime e punição na história do pensamento econômico (1764-1968)

    Investigação acerca dos argumentos econômicos sobre crime e punição de Adam Smith a Gary Becker

    A análise econômica do comportamento criminoso passou a ser feita fundamentada em um rigoroso modelo teórico matematicamente estruturado a partir do artigo Crime and punishment: An economic approach de Gary Becker (1968). Não obstante, sabemos muito pouco sobre as origens do pensamento “econômico” sobre crimes e punições. Assim, nosso principal objetivo é reconstituir essa história. Este projeto de pesquisa em andamento está sendo feito conjuntamente com o pesquisador Prof. Dr. Marcelo Justus.

    thomas-victor-conti-marcelo-justus-historia-pensamento-crime-punicao-history-economic-thought-on-crime-and-punishment-i

     

  • Economia da Defesa

    Pesquisas aplicadas (apenas no futuro, em 5 anos ou mais)

    A Economia da Defesa é uma área recente de estudos em economia cujas pesquisas ainda se encontram em estado embrionário no Brasil. Dentro de 5-10 anos pretendo fazer esforços para trazê-la para o Brasil, ajudando a organizar estudos e agregar pesquisadores para estudar seus temas na realidade brasileira ou internacional.

  • Violência e Economia na Filosofia Política e Filosofia Moral

    Análises normativas sobre o problema da violência (futuro, 10 anos ou mais)

    Em minhas pesquisas acadêmicas em andamento, forneço uma análise positiva adequada aos fenômenos sob observação. Isto é, busco entender como as coisas são. Acredito que só terei base suficiente para fazer uma análise normativa (falar sobre como elas deveriam ser) adequada aos fenômenos que estudo dentro de 10 ou 15 anos. Quando estiver nesse nível, pretendo publicar nas áreas da filosofia política e filosofia moral, ao invés de desvalorizar minhas análises em história econômica ou história do pensamento econômico com valorações políticas pessoais sobre estes objetos.